sexta-feira, 10 de janeiro de 2014

Alguém está orando por você

por Tânia e Vânia Ferro 
Estávamos prontos para pular dentro do carro lotado e partir, quando ouvimos a voz de papai: “Vamos orar.” Como um time de futebol reunido para ouvir o técnico, nos esprememos em um apertado círculo familiar, braço sobre braço.

Papai orou pedindo proteção para nossa viagem. Orou até por nosso carro: “Mantenha o carro funcionando sem problemas e o motorista alerta.” Acenávamos e gritávamos adeus, enquanto o carro dava marcha à ré na entrada da garagem. Papai piscava para conter as lágrimas. Não consigo me lembrar de nenhuma vez, em que nos separamos, que ele tenha deixado de orar e ficado sem piscar para segurar as lágrimas.


Costumeiramente, ele dizia, no final de uma ligação telefônica: “Amamos você e oramos por você todos os dias.” Acreditava nele. Era um homem de oração.

Era tarde da noite e já estava dormindo, quando recebi o temido telefonema. A cirurgia foi malsucedida. Fizeram tudo o que puderam, mas papai faleceu. Na manhã seguinte, um e-mail informou: “Ele está dormindo até que Jesus venha. Como fez em vida, deu de si mesmo na morte... como doador de órgãos.

Esperamos que traga vida a outros.” Sempre pensei que as preces de uma mãe e um pai são especialmente preciosas para o Deus Pai. Sabendo que estava “envolvida pela oração”, mesmo quando não estava orando por mim mesma, me dava uma sensação de segurança em um mundo de perigos, tanto visíveis quanto invisíveis na esfera espiritual. Há uma estranha sensação de vulnerabilidade quando um dos pais morre, especialmente quando se trata de um pai ou mãe de oração. Quem vai orar por nós agora, eu me perguntava.

Não entendemos por que ou como funciona a oração intercessória. Para cada afortunada pessoa que tem alguém orando por ela, parece que há muitos que não têm ninguém que as cubra com uma oração. Na realidade, pode não ter alguém na Terra. Mas o doce conforto é que ninguém está sem um intercessor. O autor de Hebreus disse: “O Senhor jurou e não Se arrependerá: ‘Tu és sacerdote para sempre.’ Jesus tornou- se, por isso mesmo, a garantia de uma aliança superior. Ora, daqueles sacerdotes tem havido muitos, porque a morte os impede de continuar em seu ofício; mas, visto que vive para sempre, Jesus tem um sacerdócio permanente.

Portanto, Ele é capaz de salvar definitivamente aqueles que, por meio dEle, aproximam-se de Deus, pois vive sempre para interceder por eles. É de um sumo sacerdote como este que precisávamos: santo, inculpável, puro, separado dos pecadores, exaltado acima dos céus. Ao contrário dos outros sumo sacerdotes, Ele não tem necessidade de oferecer sacrifícios dia após dia, primeiro por seus próprios pecados e, depois, pelos pecados do povo.

E Ele o fez uma vez por todas quando a Si mesmo Se ofereceu. Pois a Lei constitui sumo sacerdotes a homens que têm fraquezas; mas o juramento, que veio depois da Lei, constitui o Filho perfeito para sempre” (Hebreus 7:21-28, NVI).

Temos as melhores das intenções e prometemos orar pelos outros, mas ficamos distraídos, muito ocupados e acabamos esquecendo. Mesmo os fiéis “guerreiros da oração” falham, no final, porque a morte interrompe a sua vigília. Mas nosso Sumo Sacerdote, Jesus Cristo, vive para sempre para fazer intercessão por nós, sem restrições pela fraquezamortal de qualquer espécie. Além do mais, o Espírito Santo amplifica nossas orações e intercede por nós de acordo com a vontade de Deus (Romanos 8:22-26).

Você está solitário? Você se sente sem amigos, traído, esquecido? Lembre-se de que ninguém fica vulnerável. Você pode afirmar: “O meu socorro vem do Senhor, que fez os céus e a Terra” (Salmos 121:2, NVI). Alguém está orando por você.

– Lisa M. Beardsley, editora-chefe
http://dialogue.adventist.org/numbers/21.2-3_Port.pd

Nenhum comentário:

Postar um comentário